SÉRIE "BROMELÍGENAS": Uma Procura Árdua

O gênero


Scinax é um gênero de anfíbios anuros do continente americano. As espécies deste gênero podem ser encontradas desde o México até a Argentina, e são popularmente chamadas de pererecas.


Este gênero utiliza de corpos hídricos lênticos, ou seja, de água parada ou com baixo fluxo (lagoas e brejos) ou lóticos, de água com maior fluxo (riachos), para depositarem os ovos. O Desenvolvimento é indireto, pois gera uma larva (o girino) que se metamorfoseia até se transformar em um indivíduo adulto.


Curiosamente o gênero Scinax é o mais representativo da família Hylidae, com 127 espécies descritas até o momento. No Brasil o número é menor, mas exclama! São 54 espécies!


Scinax arduous, Perereca-de-bromélia


Endêmica (nativa, restrita à uma região específica) de Santa Teresa, Espírito Santo, teve o holótipo (espécime único e usado na descrição da espécie) coletado em 1978 pelo saudoso herpetólogo Werner Bokermann. A descrição ocorreu posteriormente, em 2002, por Oswaldo Peixoto.

Scinax arduous - Fotografia de Rodrigo B. Ferreira

Recebeu este nome devido à dificuldade de se registrar indivíduos adultos desta espécie. No artigo de descrição o autor deixa claro que, na época, inúmeras expedições foram feitas à região de Santa Teresa, mas apenas girinos foram encontrados. Todavia, trabalhos mais recentes na região já tiveram o sucesso de registrar mais indivíduos adultos com facilidade. No Espírito Santo a espécie é classificada como pouco preocupante, no que diz respeito ao nível de ameaça.


História natural


A Scinax arduous é uma espécie bromelígena, ou seja, que tem ciclo de vida intimamente ligado às bromélias. A relação dessa espécie com as bromélias é tão íntima que elas utilizam a água acumulada entre as folhas destas plantas para pôr seus ovos. Indivíduos já foram registrados em bromélias de várias espécies e tamanhos em afloramentos rochosos e bromélias ornamentais, o que reforça a ideia de que não é uma espécie exigente quanto ao tipo de bromélia. Entretanto, foi observado que existe uma preferência em bromélias terrestres, sendo pouquíssimos registros em bromélias epífitas (bromélias que usam árvores como substrato de apoio).

Scinax arduous em folha de bromélia - Fotografia de João V. Lacerda


Mesmo com os trabalhos que se seguiram, ela ainda não foi encontrada compartilhando a mesma bromélia com outro indivíduo, seja ele da mesma espécie ou não. Isso sugere que a espécie possa ser territorialista, o que não é raro em anfíbios de bromélias.


Morfologia


Scinax arduous é uma espécie de médio porte. Os machos podem alcançar até 2,1 cm, enquanto as fêmeas 2,5cm. A coloração pode variar bastante entre cinza e creme. Possui alguns tubérculos (pequenos grânulos) espalhados por todo o corpo. A espécie também possui manchas que aparentam a letra “V” invertida, na parte dorsal. Outra característica são as faixas escuras que vão da região do olho até a “virilha”. Na cabeça, esta perereca-de-bromélia possui uma escura faixa transversal entre os olhos.


Muitas características, não? Pois ainda temos mais algumas!

Manchas aposemáticas entre as pernas de Scinax arduous - Fotografia de João V. Lacerda


Nos braços e pernas, Scinax arduous possui uma série de pequenas faixas escuras, mas o destaque são as manchas que a espécie possui na região interna da coxa. As manchas são amarelas ou laranjas e possuem um brilho bem evidente. Essa coloração pode indicar aposematismo. Os animais com características aposemáticas possuem coloração chamativa que tem por objetivo afugentar possíveis predadores.

Baixe os PDFs dos artigos científicos de referência:

Lacerdaetal2012_New-species-of-the-S
.per
Download PER • 4.62MB
Lacerdaetal2015_Diagnosis-and-conservati
.
Download • 7.11MB