Repost - Projetos de conservação e a participação comunitária

Este texto é a reprodução da matéria publicada no dia 03/12/2020 pelo Portal ES360, disponível em: Projetos de conservação e a participação comunitária - ES360


Os projetos de conservação surgem em resposta aos problemas ambientais concretos como risco de extinção de espécies, degradação dos solos e dos cursos d’água e ameaças ao funcionamento dos ecossistemas. Para que tenham sucesso, é preciso o envolvimento de diferentes profissionais como biólogos, veterinários, sociólogos, economistas, geólogos, gestores e educadores de diferentes níveis de formação. Desde o voluntário, o estagiário, até os mestres e doutores, cada membro de um projeto de conservação tem sua importância na construção das respostas aos problemas, pois imprimem diferentes concepções sobre o mundo.


Mas, para que um projeto de conservação alcance seus objetivos e tenha abordagens realistas é fundamental a integração com a comunidade local.




Por mais conhecimento técnico-científico que a equipe possua, é imprescindível a construção de espaços de diálogo e interação com representantes locais (comunidades, escolas e instituições) e com as pessoas da comunidade para compreender a realidade local, obtendo informações importantes que a comunidade possui e que podem ser compartilhadas em benefício do programa de conservação.


O conhecimento tradicional, a história local, os valores e a compreensão de mundo da comunidade trazem realismo e legitimidade aos programas de conservação, se forem levados em consideração no planejamento e execução das ações.




É fundamental a existência de pessoas que façam o elo entre o projeto e a comunidade, pois essa aproximação concede à equipe o direito de ser ouvida e facilita o entendimento por parte da comunidade da importância do projeto até o ponto de se envolverem em sua execução.


Buscar o olhar da comunidade e entender a realidade local é fundamental para promover o fortalecimento das boas relações, tirando o foco dos conflitos que geralmente existem entre as atividades humanas e a natureza.


É preciso investir muito em troca de experiências, intensificar o aprendizado mútuo e reconhecer o protagonismo das comunidades nas ações, sempre com base na ciência e cuidado para que não se crie expectativas que não possam ser cumpridas.


O trabalho de conservação deve levar em consideração a importância da dimensão social e promover a sintonia entre a ciência e o saber popular ampliando o sentimento de pertencimento da comunidade e destacando a importância de sua contribuição para a conservação da biodiversidade. Caso contrário, as chances de fracasso são maiores que as de sucesso e quem sai perdendo é a natureza.


 

Para saber mais sobre o projeto, acesso: https://www.imd.org.br/programa-saira-apunhalada O PCSA Programa de Conservação da Saíra-apunhalada é um programa de pesquisa e conservação da espécie Nemosia rourei, desenvolvido na região serrana do Espírito Santo e sediado no município de Vargem Alta. Realização: - Instituto Marcos Daniel (@imdbrasil) - Transmissora Caminho do Café / Alupar Parceria: - Parque das Aves (@parquedasaves) - Avistar Brasil (@avistar) - Save Brasil (@savebrasil) - Reserva Águia Branca (@reservaaguiabranca) - CSE Brasil (@cse_brasil_) - Montanhas Capixabas (@montanhascapixabasoficial) Comunicação: - Dezoito Design (@dez8ito_design)