• Fernando Paulino

A história dos jacarés e seus ancestrais - Jornada "Marginais" Cap.#2

Atualizado: Ago 26

Saudações crocodilianas!

Espero que esteja tudo bem por aí e que sua máquina do tempo esteja em bom estado, pois a partir de agora viajaremos ao passado para tentar descobrir onde e quando nossos amigos jacarés surgiram e como eles sobreviveram até os dias de hoje.

- Você pode colocar a trilha de “De volta para o futuro” caso ache pertinente.

E vamos de história!


UM SALTO PARA O PASSADO

Até onde sabemos, o grupo dos Crocodylomorpha (grupo que engloba os crocodilianos e seus parentes extintos) surgiu há aproximadamente 230 milhões de anos atrás num período chamado Triássico. - No mesmo fragmento temporal dos nossos amigos dinossauros.


Para nos situar do quão distante no passado estamos falando, naquele tempo o mundo ainda se resumia ao supercontinente Pangeia.


Dito isso, pense agora em como nossa casa mudou ao longo do tempo. Imagine todas as mudanças ambientais e espécies que já pisaram no planeta e que possivelmente não existem mais. - Cai meteoro, congela e descongela, extinções em massa, morre dinossauro, vulcão em erupção, continente se separa. Não foi fácil para nossos amigos.


PASSOS DA VIDA

Muita coisa mudou, existiu e deixou de existir. Com nossos jacarés não foi diferente. Os registros fósseis nos apontam que além de antigo o grupo se mostrou muito persistente e mudou bastante ao longo do tempo.

Clique na imagem para ampliar

Sabemos hoje que eles ocupam apenas as regiões alagadas nas zonas tropicais e intertropicais da Terra. Entretanto também temos registros de ancestrais crocodilianos habitando desertos e até os mares daquela época. - Aqui aprendemos que jacarés não gostam muito de frio.


Diferente dos nossos exemplos viventes, muitos dos parentes mais antigos dos nossos jacarés eram de pequeno porte e bem mais leves, tanto que se alimentavam de insetos, pequenos vertebrados, e até mesmo plantas. Porém, alguns outros crocodilomorfos eram maiores e podiam competir por alimentos até mesmo com dinossauros.


O GIGANTE AMAZÔNICO

Aqui mesmo, bem perto de nós, existiu o Purussaurus brasiliensis, um gigante que podia atingir mais de 12 metros de comprimento. Apesar de extinto, esse “primo” habitava as regiões pantanosas da América do Sul, que posteriormente se tornaria nossa floresta amazônica há aproximadamente 8 milhões de anos atrás. - Steven Spielberg quase acertou em Jurassic Park.


- Ficou com curiosidade sobre o Purussaurus brasiliensis, né?


UM POUCO DO HOJE

Atualmente, após milênios de processos evolutivos e catástrofes ambientais; existem 24 espécies de crocodilianos divididas em três famílias. - Neste ponto precisamos falar um pouco sobre taxonomia, mas é bem leve, só lembrar do “re fi co fa ge”; o “fa” em negrito, representa as famílias na hierarquia taxonômica, seguida por gênero e espécie.


Assim temos: família Alligatoridae são os jacarés e aligátores como representantes, família Crocodylidae com os crocodilos e, por fim, a família Gavialidae com o gavial. - Dizemos assim, no singular mesmo, pois essa família possui apenas uma espécie, triste né?


- Mas afinal, qual a diferença entre eles? Você pode perguntar...


Vamos com calma. Existem diversas maneiras de se diferenciar os crocodilianos, uma delas é através da forma da cabeça e da disposição dos dentes.


DIRETO AO PONTO

Os jacarés (família Alligatoridae), quando comparados com seus primos crocodilos e gaviais, possuem um focinho. - Sim, agora você pode dizer focinho; um pouco mais curto e largo, em formato de “U” quando observamos sua cabeça de cima.


Outro ponto bem evidente é que nos jacarés seus dentes inferiores raramente ficam expostos quando estão de boca fechada, apenas os superiores são visíveis, na maioria dos casos.


Nos crocodilos (família Crocodylidae) já é um pouco diferente. A feição do focinho se modifica, formando um “V”, além de seus dentes superiores e inferiores se entrelaçarem ficando visíveis, mesmo quando de boca do animal está fechada.


O representante da família Gavialidae é o que mais se difere dos seus primos aparentando um focinho em “Y”, entretanto a disposição dos seus dentes se assemelha com a dos crocodilos.


ATÉ MAIS E OBRIGADO PELOS PEIXES

Pronto! Agora você sabe como os crocodilianos surgiram e quais as diferenças entre os indivíduos atuais, você já é quase um jacarólogo!


Acredito que conversamos sobre muita coisa importante neste breve encontro, então vamos dar um season finale pra nossa conversa, com um spoiler pra próxima temporada?


Como que as famílias estão dispostas pelo mundo? Temos crocodilos e gaviais no Brasil?


Nos vemos na próxima, obrigado pela companhia!


<<<< CAPÍTULO ANTERIOR         PRÓXIMO CAPÍTULO >>>>

P.S.: Aqui fica uma palavrinha do autor do capítulo: "A história dos jacarés e seus ancestrais" presente no livro “Marginais”: Jacarés da Mata Atlântica.


- Senhoras e senhores, com a palavra, Professor Rodrigo Giesta Figueiredo!



O Projeto Caiman é uma realização:

- Instituto Marcos Daniel; @imdbrasil


- Projeto Caiman; @projetocaiman


Parceira:

- Instituto Últimos Refúgios; @ultimosrefugios


Texto:

- Fernando Paulino; @fepalva_

- Gabriel Dias; @gabrielgomesdias


Ilustração:

- Luiza Tanaka; @lu_tanakap


Infográfico:

- Felipe Facini; @felipe.facini


Agradecimentos:

- Professor Rodrigo Giesta; @r.g.figueiredo

- Gustavo Pedro de Paula; @foto_gustavopedro

- Leonardo Merçon; @leonardomercon


Patrocínio:

- ArcelorMittal Tubarão; @arcelormittaltubarao

182 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Kit Projeto Bromeligenous

Em cada ação interativa que promovemos, temos a intenção de oferecer algum material como lembrança do Projeto Bromeligenous. Por vezes nossa equipe sonhou com um kit mais completo do que tínhamos, par

SEGUE A GENTE

ENDEREÇO & CONTATO

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

  • Facebook - Instituto Marcos Daniel
  • Instagram - Instituto Marcos Daniel

Av. Eugênio Pachêco de Queirós, s/n

Jardim Camburi | Vitória-ES

CEP 29090-160 | Tel: (27) 3237-2405

Please reload

Facebook

Instagram